Logo da ATI

Notícias da ATI

Notícia publicada em 13/09/2019 às 13:16

SIGABEM

/image/journal/article?img_id=11452978&t=1568391633335

Projeto para melhorar acessibilidade no transporte público de pessoas com deficiências e idosos receberá recurso da Facepe

 

O projeto  "Plataforma de Inteligência Geográfica para Apoiar a Acessibilidade de Pessoas com Deficiências e Idosos no Transporte Público da Região Metropolitana do Recife (SIGABEM)", demandado pelo Grande Recife Consórcio de Transporte (GRCT), foi aprovado na modalidade Subvenção Econômica à Inovação (SIN), na categoria Pesquisador Visitante, pela Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe). A solução inovadora,  identificada pela Agência Estadual de Tecnologia da Informação (ATI-PE), órgão vinculado à Secretaria de Administração (Sad), e o Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), irá receber quase R$110 mil em 12 meses para sua execução.   

 

O projeto institucional está sendo coordenado pela ATI, através do Laboratório de Integração Governo, Universidade e Empresa (LIGUE), em parceria com o Grande Recife e com o IFPE. Para a secretária de Administração de Pernambuco, Marília Lins, "a plataforma SIGABEM pretende ser uma ferramenta poderosa para a implementação de políticas públicas e ações que aumentam a qualidade do serviço prestado ao cidadão". O secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Marcelo Bruto, acredita que a plataforma vai melhorar a acessibilidade de pessoas com deficiência e de idosos no transporte público. "Com esse trabalho, será possível ampliar as informações cadastrais desses usuários, desenvolvendo um Sistema de Informações Geográficas para Acessibilidade em Transporte Público, incluindo um aplicativo para smartphone", detalha.

 

O SIGABEM tem dois objetivos relevantes, segundo a presidente da ATI, Ila Carrazzone. "Disponibilizar uma ferramenta baseada em tecnologias digitais, contendo várias 'facilidades de comunicação e localização georreferenciada' para permitir acessibilidade e interatividade entre os usuários do transporte público que portem deficiência visual ou de mobilidade, e também idosos, junto aos motoristas, empresas de ônibus e o GRCT; e, fortalecer  a Integração do Governo com a Academia, como uma ação institucional e estruturadora do LIGUE, com a cooperação direta de gestores públicos (especialistas dos negócios públicos), pesquisadores e estudantes”.

 

Para a coordenadora do projeto e gerente do LIGUE, Mônica Bandeira, "a Plataforma SIGABEM será desenvolvida a partir de uma Base de Dados Ampliada contendo informações georreferenciadas dos usuários de transporte público, registrando e armazenando sua localização, tipo de deficiência, idade, dia e horário comum de locomoção, dentre outras informações de acessibilidade. Este cadastro ampliado e georreferenciado será também utilizado para apoiar o Governo em proposição de políticas de acessibilidade a partir da aplicação de técnicas de Mineração de Dados e de técnicas no campo da Inteligência Artificial, desenvolvendo motores inteligentes, oferecendo mais facilidades para os usuários e beneficiários da rede de transporte público", explica .