Logo da ATI

Notícias da ATI

Notícia publicada em 29/06/2022 às 09:37

O doutor da família ATI

/image/journal/article?img_id=12869792&t=1656506542350

Os funcionários da ATI desfrutam do convívio diário de um “médico da família” há quase 50 anos

 

Com quase 50 anos de trabalho na Agência Estadual de Tecnologia da Informação (ATI-PE), fruto da fusão do antigo Centro de Prestação de Serviços Técnicos de Pernambuco (Cetepe) com a Fundação de Informática do Estado de Pernambuco (FISEPE), o doutor Cláudio Guimarães, não é conhecido pelos funcionários como o médico do trabalho e sim o “médico da família”, aquele título nobre dado aos médicos que no passado atendiam seus pacientes nas suas casas, tomavam cafezinho e se tornavam verdadeiros amigos.

 

O convívio diário, a presteza no atendimento, a solidariedade com os funcionários e com a família de cada um, transformou o Dr. Cláudio em um cargo essencial mesmo quando o órgão deixou de ser centro de processamento de dados, onde doenças de repetição motora era uma constante, para concentrar as atividades de coordenação e provimento corporativo de TIC (tecnologia da informação e comunicação), abrigando um moderno datacenter de uso compartilhado e o Ponto de Acesso Principal da Rede Digital Corporativa do Estado, cujo gerenciamento técnico é de responsabilidade da ATI, órgão vinculado à Secretaria de Administração (SAD-PE).

 

Uma vida dedicada aos servidores e empregados públicos que buscam seus serviços constantemente, até para pedir indicação de profissionais de outras especialidades. Uma amizade regada à confiança. “Aqui é minha casa. Lembro quando cheguei aqui há 47 anos. Acompanhei cada mudança, não só no órgão, mas nas pessoas. Porque não costumo só atender o paciente no instante em que esteja se sentindo mal. Mas, converso com cada um deles para conhecer seu estilo de vida fora do órgão, saber o porquê de ser predisposto para tal doença, o que deve fazer para evitá-la... Passei por momentos marcantes. Socorri muita gente. Alguns consegui salvar a vida. Mas também tive perdas, pessoas que morreram em meus braços, e que fiz todo o esforço do mundo para evitar”, relembra Dr. Cláudio.

 

Mas como a vida é feita de ciclos. Dr. Cláudio está fechando a Gestalt (ciclo). Aos 75 anos de idade está prestes a se aposentar, mas há quem diga que a Associação dos Funcionários da ATI (Atepe) a qual faz parte está estudando maneiras de mantê-lo por perto. Afinal, o vazio que promete deixar já aterroriza os que ficam. Difícil mesmo será a vida do seu substituto até conquistar a mesma empatia.

 

Planos para o futuro – Mesmo na pandemia de Covid-19, Dr. Cláudio não se distanciou dos seus, pelo contrário, mesmo no período de medidas mais restritas, onde todos foram trabalhar em casa, não teve quem lhe fizesse uma ligação para fazer uma consulta ou até mesmo lhe pedir conselhos em tempos de incertezas e medos que ele não tivesse atendido. Até abriu as portas do seu consultório na ATI para atendimento presencial.

 

E foi nesse tempo difícil, que lhe reacendeu a vontade de trabalhar para os que, no seu enxergar, mais necessitam de um olhar solidário da sociedade. Então, tratou de concluir seu projeto pessoal – uma casa abrigo para os deficientes mentais. “Penso num lugar bonito, cheio de verde e de profissionais de bom coração para tratar quem não tem quem os defendam, quem os amparem com dignidade. Os chamados vulgarmente de ‘loucos’ precisam dos cuidados necessários para enfrentar uma doença cruel que os afastam da família e os deixam à margem da sociedade. Esse é o meu projeto de vida, assim que deixar o Governo de Pernambuco”.